Você sabia que a infância é a fase mais importante enquanto receptores e consumidores de informações de tudo aquilo que estamos expostos?

Todas as informações que assimilamos, principalmente de nossos pais, contribuem diretamente para a formação de nossos gostos pessoais, acepções e até mesmo rejeições.

A mãe, ou quem exerce a função materna, tem um papel fundamental na formação de uma criança. “Na primeira infância é ela que está em maior sintonia com o filho, cumprindo os principais cuidados básicos como nutrição e proteção, além de ser ela quem apresenta o mundo para esse bebê, que ao nascer precisa que alguém que faça essa conexão e apresente a linguagem para ele”, explica a psicóloga Mariana Imperador.

Obviamente que esse período determinará o nosso comportamento enquanto consumidor lá na frente na vida adulta e por muitas vezes, a publicidade se apega nesses pontos para influenciar as crianças.

Como o que aprendemos na infância impacta nossos hábitos financeiros como adultos?

Segundo a professora de educação infantil Elaine Cunha “a infância influencia muito no comportamento de consumo, principalmente em função da educação sem regras e limites que eles são submetidos. As crianças crescem achando que podem tudo, pois os pais querem compensar a ausência de tempo e atenção com bens materiais, então elas crescem acreditam que esse é um ponto importante em suas vidas. Quando a gente pergunta para as crianças o que as deixam felizes, a resposta da maioria é celular, vídeo game e outros itens tecnológicos”.

Principalmente em nossa primeira infância, desenvolvemos pontos importantes como: vínculos seguros, autonomia, liberdade de expressão e limites realistas. No caso de um desses pontos não terem sido supridos pode gerar um padrão comportamental e isso impactar na forma como encara o consumo em sua fase adulta. Os nossos hábitos financeiros estão totalmente relacionados a esse fator, se não conseguimos desenvolver um vínculo seguro com dinheiro, por exemplo, dificilmente esse seja um hábito mais difícil de desconstruir na fase adulta.

Como isso pode funcionar na prática?

Se você já se pegou triste ou com aquela sensação desesperada de consumir e, dessa forma acaba optando por procrastinar, comer desenfreadamente ou comprar qualquer coisa que lhe desperte atenção, isso provavelmente tem relação direta com seu passado, tem base em alguma necessidade que possivelmente não foi suprida.

A questão da publicidade infantil

Sem dúvida alguma, a propaganda infantil é a grande responsável por muitos hábitos que fazem parte de nosso cotidiano de consumo. Afinal, elas ensinam e estimulam desde cedo que para se ter sucesso e momentos felizes é preciso comprar tal produto anunciado.

Sabe aquele brinquedo que você viu no comercial de um programa de TV infantil e seus pais não puderam comprar? Apesar de ter levado um “não” descontente à época, certamente hoje você está muito mais preparado para lidar com o consumo desenfreado que estamos inseridos.

A polêmica da publicidade infantil não é exatamente algo novo. O documentário “A Corporação”, já denunciava alguns desses fatores em 2003.

A boa notícia é que, em 2014, o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) proibiu publicidade para este público. Pensando a longo prazo, já é uma medida justa e que vai surtir efeito, não é mesmo?

Identifiquei esse padrão. E agora?

O fato de reconhecer um padrão ou problema já é um ponto positivo pra você, assumir e entender é um ótimo começo pra qualquer tipo de mudança. em camadas mais superficiais, policiar a não continuidade desse hábito já é um bom começo, além de acompanhar conteúdos educativos sobre educação financeira, afinal, é preciso pensar no futuro, né?

Mas se você entender que precisa de ajuda, a melhor indicação para o caso é a busca de um profissional, como um psicólogo, que vai te ajudar a buscar entendimento sobre o assunto de forma mais profunda e eficaz.

Nós, do Consórcio Magalu, temos como prioridade auxiliar sua vida financeira adulta para a conquista de seus sonhos, de forma prática e segura. Por aqui, buscamos dar dicas importantes sobre economia doméstica para te auxiliar.

Se você se identificou com algo, comente aqui embaixo sua experiência para que nossa conversa seja mais produtiva.