Se tem uma coisa que incomoda qualquer pessoa é a tão temida gordura localizada. Ninguém merece, né?! Com o fácil acesso à informação, as pessoas buscam diversos métodos para eliminá-la, desde rigorosas dietas a shakes que prometem soluções rápidas e milagrosas. E, claro, o resultado, na maioria das vezes, acaba sendo frustrante.

Segundo um relatório elaborado pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica, o Brasil é o segundo país que mais realiza procedimentos estéticos em todo o mundo, atrás somente dos Estados Unidos. Sim, por aqui, gente vaidosa é o que não falta, né?! E não há problema nenhum nisso, quem é que nunca quis mudar alguma coisa ou outra em si mesmo?!

Contudo, além da questão estética, a segurança e a eficácia devem ser levadas em consideração na hora de buscar alternativas que corrijam às imperfeições, que muitas vezes, refletem na autoestima e no psicológico dos pacientes.

É claro que, com o ávido desejo da busca pela solução, às vezes, acabamos deixando de lado informações sobre a segurança do método. E não há nada de ruim desejar se sentir melhor com o seu corpo, mas, tenha em mente de que é imprescindível ter cautela e informação precisa na hora de tomar a tão esperada decisão.

Uma das formas mais assertivas e eficazes para combater a gordurinha localizada indesejada é através da criolipólise, que está cada vez mais em alta no mercado de estética brasileiro por causa de seus ótimos resultados.

O que é?

Quando se busca pelo procedimento, há diversas explicações técnicas e resultados que foram obtidos, contudo, por se tratar de uma técnica que está em ascenção, ainda há muitas dúvidas sobre o tratamento que foi criado por pesquisadores da renomada Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Em síntese, a criolipólise é um procedimento não invasivo que promove a sucção da pele através do subcutâneo, que é resfriado entre duas placas de congelação. Traduzinho, a técnica consiste em congelar as células da gordura, já que elas são extremamente sensíveis a baixas temperaturas. Deste modo, é possível reduzir consideravelmente as gorduras localizadas.

Há restrições?

É importante ressaltar que o tratamento não pode ser utilizado como forma de combater a obesidade e o sobrepeso. Na prática, ele é indicado para eliminar os famigerados “pneuzinhos” ou “pochetinhas”, que são, realmente, muito difíceis de se perder apenas com academia e uma dieta regrada.

Além disso, gestantes, idosos crianças, pessoas com hérnia, implantes metálicos e dispositivos eletrônicos implantados não podem recorrer à intervenção estética.

Como é o pós procedimento?

Por se tratar de um procedimento que não é invasivo, a recuperação é muito mais simples do que se fosse uma cirurgia plástica. Dependendo da região que foi realizada o tratamento, o paciente poderá sentir-se dolorido com um leve desconforto durante alguns dias. Além disso, inchaço e vermelhidão também podem aparecer na região. Porém, na maioria das vezes, os pacientes podem retornar normalmente às suas atividades já no dia seguinte da sessão.

E aí, se interessou pelo procedimento?  Que tal fazer uma simulação de um consórcio de serviços do #ConsórcioLuiza e realizar esse sonho?