Vai fazer um intercâmbio ou uma viagem internacional? Confira as dicas para não errar na hora de comprar moeda estrangeira

Toda viagem deve ser planejada. E uma parte importante para pensar, pesquisar e se organizar é na hora da compra da moeda do país de destino. Temos dicas importantes para você viajar com mais tranquilidade e também economizar seu dinheiro.

Dinheiro ou cartão?
Para gastos corriqueiros, como transporte, refeições na rua ou compra de lembrancinhas, o ideal é ter dinheiro em mãos.

Para despesas mais altas, como hospedagem, aluguel de carro ou compras mais caras, é mais seguro usar o cartão.

O ponto negativo para utilizar o cartão (crédito, débito ou pré-pago) no exterior é o elevado IOF: 6,38%. O alto imposto cobrado pelo governo costuma assustar os viajantes. Fora isso, é muito mais seguro e uma garantia para gastos que não estavam previstos. Sem contar que, com o cartão de crédito, é possível acumular milhas e viajar ainda mais.

Como comprar a moeda estrangeira?
Acompanhe diariamente a cotação da moeda. Pode ser que a moeda baixe de forma repentina e você precise se apressar para aproveitar a cotação. Comprar a moeda estrangeira aos poucos e em momentos diferentes também é recomendado por especialistas financeiros. Dessa forma, é possível driblar a imprevisibilidade das taxas cambiais.

Escolha uma casa de câmbio confiável e, antes de fechar negócio, verifique se o valor que ela te passou já está considerando a taxa de IOF. Uma boa dica é que o Banco Central tem uma lista de instituições autorizadas a operar no mercado de câmbio no Brasil que seguem normas bem rígidas e são inspecionadas de perto.

Outra dica é consultar taxas de câmbio em aplicativos ou sites que comparam cotações de câmbio turismo em papel moeda e cartões pré-pagos, entre as corretoras do local onde você mora.

Você pode ainda comprar direto no seu banco. A cotação do banco costuma ser menor do que nas casas de câmbio. A taxa pelo serviço geralmente é mais cara, mas pode compensar dependendo do valor negociado. Faça as contas e tente negociar.

Atenção: alguns países exigem que o turista apresente uma quantia mínima de dinheiro em espécie, como prova de que terá como se manter lá e voltar ao Brasil. Procure o consulado do país de destino para saber se é o seu caso.

Vale a pena comprar a moeda no país de destino?
Se a viagem for para um lugar de moeda forte, caso dos Estados Unidos (dólar), de boa parte da Europa (euro) e do Reino Unido (libra), vale a pena comprar a moeda ainda no Brasil. Já se a viagem for para um país de moeda fraca, compre dólar ou euro aqui e somente no destino adquira a moeda vigente, já que, em função da baixa procura dessas moedas, as casas de câmbio no Brasil cobram uma taxa mais alta.

Planejamento
Defina um valor máximo para pagar pela moeda estrangeira. Assim, caso a cotação não diminua, você sabe qual é o limite e aproveita a cotação antes que fique mais cara do que o que você pretendia pagar. Mas também não espere demais, pois pode comprometer seus planos de viagem.

Gostou das dicas? Você ainda pode contar com o Consórcio Luiza para embarcar nesse sonho. Para conhecer um lugar inesquecível ou fazer um intercâmbio, o consórcio de serviços é o parceiro ideal. Você escolhe o plano perfeito para o seu orçamento, paga parcelas acessíveis e conta com todas as vantagens e a credibilidade do Consórcio Luiza.

Conheça nossos planos e fale com a gente. Para todas as dúvidas, e todos os objetivos, conte com quem entende de realização.